Um pombo existencialista.

Um Pombo Pousou Num Ramo a Reflectir na Existência | DVD e Filme em análise

 

O filme do inclassificável cineasta sueco Roy Andersson, que esteve breves dias nas salas de cinema nacionais, foi finalmente lançado em DVD, numa edição simples para os admiradores de um humor frio e escandinavo.

Depois de ‘Canções do Segundo Andar’ (2000) e ‘Tu, Que Vives’ (2007), chega agora em DVD, o terceiro filme da Trilogia dos Vivos que demorou muito a concretizar, numa edição simples e sem extras, dirigida sobretudo aos grandes admiradores de um género de humor que além da existência, reflecte ainda uma certa diversidade da cultura europeia.

A triste e absurda existência.
A triste e absurda existência.

VER MAIS: trailer de Um Pombo Pousou Num Ramo a Reflectir na Existência

‘Um Pombo Pousou Num Ramo a Reflectir na Existência’ (‘A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence’) é de facto um filme sui generis, que foi considerado a Melhor Comédia Europeia 2015, nos European Film Awards e foi ainda Leão de Ouro 2014 de Veneza 71. Isto demonstra que o enorme prestígio do mestre Roy Andersson, no panteão do cinema europeu, está muito para além das bilheteiras e dos seus afastamentos temporários dos festivais internacionais.

opombo2

‘Isto demonstra que o enorme prestígio do mestre Roy Andersson, no panteão do cinema europeu…’

‘Um Pombo Pousou Num Ramo a Reflectir na Existência’, é de facto um filme muito divertido e com muita graça, uma comédia gélida e um retrato ácido sobre a condição humana e a sociedade. O filme é acima de tudo um ensaio metafísico e uma afiada crítica às anomias das sociedades nórdicas, às suas aparentemente instituições perfeitas e  aos seus falsos valores democráticos.

Consulta Ainda: Lançamentos DVD, BD e BD3D | Lista Completa 2015

O filme são aproximadamente 39 planos fixos, frios e perfeitos (parece quase um mix do cinema de Manoel de Oliveira e de Lars Von Trier), que reflectem um conjunto de emoções e sentimentos contraditórios: beleza, desespero, caos, fúria, silêncio, ruído, esquecimento, vida e morte. Não se trata apenas de uma história, mas vários ‘sketches’, vários quadros e sobre vários protagonistas, aparentemente desligados entre si: dois vendedores de artigos de carnaval, com tendência para a depressão, uma roliça professora de flamengo com o coração despedaçado, uma menina com Síndrome de Down, que recita no palco um poema metafísico, entre outras situações e figuras que mais parecem mortos-vivos, num absurdo retrato coral sobre a existência humana e os imperativos da vida em sociedade.

Uma professora de flamengo apaixonada.
Uma professora de flamengo apaixonada.

‘…são vários ‘sketches’, vários quadros e sobre vários protagonistas, aparentemente desligados entre si…’

Este ‘Um Pombo Pousou Num Ramo a Reflectir na Existência’ é um regresso pela porta grande aos prémios e festivais, do veterano cineasta sueco Roy Andersson (71 anos), que se estreou há quarto décadas com um filme algo ‘bergmaniano’: ‘A Swedish Love Story’. A partir daí Andersson tem feito uma carreira algo errática entre o cinema, publicidade e ensino e o seu último filme foi ‘Tu, Que VIves’ (2007).

  • 8cbc5df32_363511270715Título Original: ‘A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence’
  • Realizador: Roy Andersson
  • Actores: Holger Andersson, Nils Westblom e Viktor Gyllenberg
  • DVD:  Imagem: 16×9 FF Cor, Som: Dolby Digital 5.1 | Stereo 2.0 Legendas: Português
  • Alambique | Suécia | 2014 |  96’

 

 

 

JVM

 

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *