Dom Quixote

71º Festival de Cannes: Don Quixote no encerramento!

O tribunal de Paris decidiu em favor do filme e “O Homem Que Matou Don Quixote” vai mesmo ser encerrar o 71º Festival de Cannes. Foi agora anunciado oficialmente em comunicado da direcção do Festival, recebido durante esta tarde.

Terry Gilliam já estar melhor da sua saúde e ainda bem, e embora já não seja novidade — ontem grande parte da imprensa já o tinha anunciado —  só agora veio a confirmação oficial, recebida há pouco em comunicado da direcção do 71º Festival de Cannes: “O Homem que Matou Don Quixote” vai ser o filme de encerramento. Ontem, quarta, 9 de maio, como estava anunciado o tribunal francês indeferiu o pedido de Paulo Branco e da sua produtora Alfama Films Production de proibir que o filme fosse exibido na sessão de encerramento do 71º Festival de Cannes, que se vai realizar no sábado, 19 de maio, diz o comunicado.

terry gilliam paulo branco don quixote

Na verdade este comunicado da direcção do Festival não é nada meigo com Paulo Branco, que ontem disse que ficavam todos a ganhar com esta decisão. No entanto, a nota recebida esta tarde é bastante contundente e refere que, Paulo Branco e a sua produtora Alfama Films Production viram, naturalmente recusado, o pedido de indemnização do Festival de Cannes, e a nota acusa ao mesmo tempo o produtor português de ter denegrindo abertamente o evento na imprensa e nas redes sociais, afirmando que os seus organizadores não tinham o direito de selecionar “O Homem Que Matou Don Quixote”, para ser apresentado como filme de encerramento.

Segundo novamente o Festival e passamos a reproduzir: (…) a tentativa de orquestrar uma campanha de intimidação por Paulo Branco e seu filho advogado foi, portanto, infrutífera. O juiz (…) confirmou que, contrariamente ao que os Brancos continuaram a reivindicar (entre outros ataques caluniosos e mentiras), o Festival de Cannes nunca se colocou acima da lei, nem tentou forçar uma decisão.

O Festival de Cannes, afirma ainda que, repetidamente expressou sua lealdade e apoio aos criadores, e por isso tem o prazer de ver que a justiça permitirá a apresentação deste trabalho, cujo  realizador, certamente merece vê-lo finalmente, apresentado ao público.

Paulo Branco

O Festival de Cannes manifestou ainda no comunicado estar satisfeito pela possibilidade de apresentar esta obra: (…) de certa forma agonizante na carreira do grande realizador Terry Gilliam . Por isso o filme será apresentado pela primeira vez aos jornalistas, público e profissionais de todo o mundo, no próximo  sábado no Grande Auditorio Lumière. Desde terça, que o cinema recuperou seus direitos. O Festival é um fórum único para a liberdade de expressão. E assim permanecerá, conclui a direcção do 71º Festival de Cannes.

José Vieira Mendes (em Cannes)

Lê Também:
71º Festival de Cannes: em #MeToo, Netflix, Selfies e as Sessões de Imprensa
Lê Também:
71º Festival de Cannes: Todos lo saben
Lê Também:
71º Festival de Cannes (2): A Música e a Liberdade
Lê Também:
71º Festival de Cannes (4): Fábulas Humanistas
Lê Também:
71º Festival de Cannes (5): Amores Loucos
Lê Também:
71º Festival de Cannes: Godard Video-Conferencista
Lê Também:
71º Festival de Cannes: O meu nome é “Diamantino”.
Lê Também:
71º Festival de Cannes (7): Mulheres, Actrizes e o Circo
Lê Também:
71º Festival de Cannes: Duarte Coimbra, com “Amor, Avenidas Novas”
Lê Também:
71º Festival de Cannes (8): Koreeda, Lee e Von Trier
Lê Também:
71º Festival de Cannes (8): A Luta do Povo, Salaviza e Brisé
Lê Também:
71º Festival de Cannes: “Diamantino” vencedor da Semana da Crítica

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *