"Asiáticos Doidos e Ricos" | © Warner Bros.

Asiáticos Doidos e Ricos, em análise

Aquando da sua estreia mundial em 2018, “Asiáticos Doidos e Ricos” não teve direito a uma distribuição nos cinemas portugueses. No entanto, esta comédia romântica de sucesso chegou agora à Netflix.

A história da comédia romântica, enquanto género cinematográfico, é uma odisseia atribulada, cheia de altos e baixos, reviravoltas e cismas culturais profundos. Os anos 20 e 30 do século XX foram o auge deste tipo de cinema, sendo um modelo narrativo que sobreviveu bem à transição do mudo para o sonoro. Nas décadas seguintes, histórias de amor com um toque humorístico continuaram a singrar, mas, com o nascimento do blockbuster nos anos 70, tudo mudou. A partir daí, a audiência ideal para a qual Hollywood afunilava seus maiores investimentos era composta por rapazes adolescentes, fazendo da comédia romântica um modelo cada vez menos seguro. O fim do século XX e início do XXI trouxe uma segunda era doirada, pelo menos em termos de viabilidade comercial, mas, aí por volta de 2011, tudo mudou novamente e a comédia romântica passou a estar fora de moda.

Hoje em dia, quando um filme assim alcança algum sucesso, é logo alvo de boa atenção crítica, sendo principalmente elogiado pela sua suposta renovação de um género morto. Assim aconteceu quando “Amor de Improviso” se tornou num improvável fenómeno e assim voltou a ocorrer quando “Asiáticos Doidos e Ricos” ganhou aclamação e até conquistou uma nomeação do prestigiado Sindicato dos Atores de Hollywood (SAG). O melhor de tudo é que, longe de tentar reinventar a comédia romântica, este mais recente triunfo alcançou a glória através da celebração dos apelos tradicionais do género. De facto, o tipo de cinema que melhor se compara a “Asiáticos Doidos e Ricos” é o escapismo doirado da Grande Depressão. Contudo, antes de elaborarmos tal analogia, talvez fosse melhor explicar um pouco a história do filme.

asiaticos doidos e ricos critica netflix
© Warner Bros.

Baseado num romance de Kevin Kwan, “Asiáticos Doidos e Ricos” centra-se numa professora universitária Sino-Americana, Rachel Chu, que é inesperadamente convidada pelo seu charmoso namorado, Nick Young, a visitar a família dele em Singapura. Acontece que um grande amigo dele se vai casar e quer que Nick seja seu padrinho, levando com que o casal viaje até à Ásia, onde Rachel acaba por descobrir alguns segredos do amado. Nick Young não é um Nick Young qualquer, mas sim um dos membros da família mais abastada da região, uma dinastia bilionária cuja influência se estende sobre todo o continente asiático. O que era suposto ser uma visita inocente e relaxada, depressa se torna num jogo para ganhar a aprovação de uma linhagem de snobs endinheirados cuja matriarca, Eleanor, está particularmente decidida a desaprovar das escolhas amorosas do filme. Afinal, enquanto pobretanas e americana, Rachel simplesmente não vive no mesmo plano de existência dos Young.

Lê Também:
Grandes filmes que nunca chegaram aos cinemas portugueses

Basicamente, a nossa professora é uma Cinderela dos tempos modernos e Nick é o príncipe encantado cujo amor ela tentará “merecer”. Até há uma espécie de fada-madrinha sob a forma de Peik Lin Goh, uma amiga de longa data de Rachel que logo se oferece para dar uma makeover personalizada à companheira. Tudo isto é cliché, mas “Asiáticos Doidos e Ricos” sabe como tornar isso numa mais-valia, encontrando dimensões inesperadas nestes lugares-comuns. Muito desse génio provém da interseção cultural e étnica em que o filme se encontra, adaptando uma história já muito contada a pessoas cuja vida raramente foi tão abertamente celebrada por Hollywood. Isso é especialmente fantástico no que se refere à personagem principal, cuja condição enquanto filha de imigrantes influencia o modo como ela encara o classismo vil de Eleanor Young.

asiaticos doidos e ricos critica netflix
© Warner Bros.

Também ajuda, pois claro, que este tipo de narrativa seja o pretexto ideal para uma orgiástica explosão de luxo. Tal como os filmes da Grande Depressão, “Asiáticos Doidos e Ricos” não se envergonha do seu amor pela riqueza material, construindo inteiras sequências em torno da espetacularidade com que os Young vivem suas vidas. O casamento do clímax é de especial beleza, sendo uma produção digna dos palcos da Broadway, com figurinos ostentosos e uma passerelle de água incluídos. É um fausto que maravilha e entretém, mas há ainda um elemento humano que ancora toda esta loucura. Como já dissemos Rachel é uma personagem excelente e a performance de Constance Wu é ainda melhor. Com isso dito, há uma interpretação ainda mais sublime entre o elenco desta fita.

Trata-se de Michelle Yeoh como Eleanor Young, uma figura que foi habilmente alterada das suas origens literárias. No livro original, ela é uma caricatura histérica. No filme, ela é uma força da natureza tão cruel como magnética, uma mulher impiedosa que fará tudo o que for preciso para garantir a felicidade do filho. O problema encontra-se no facto que ela pensa saber o que é melhor para ele e isso nem sempre é o caso. Yeoh é imperiosa no papel, mas sabe quando mostrar o lado mais vulnerável da personagem. Numa cena estrondosa onde o mahjong serve de metáfora para o jogo de poderes entre Rachel e Eleanor, ambas as atrizes mostram o peso emocional da situação sem nunca exagerarem a expressão ou implorarem pela simpatia barata do espetador. Nas mãos destas mulheres, “Asiáticos Ricos e Doidos” nunca seria algo menor que um triunfo.

Asiáticos Doidos e Ricos, em análise
asiaticos doidos e ricos critica netflix

Movie title: Crazy Rich Asians

Date published: 2020-06-30

Director(s): Jon M. Chu

Actor(s): Constance Wu, Henry Golding, Michelle Yeoh, Awkwafina, Gemma Chan, Ken Jeong, Lisa Lu, Sonoya Mizuno, Chris Pang, Jimmy O. Yang, Ronny Chieng, Remy Hill, Nico Santos, Jing Lusi

Genre: Comédia, Drama, Romance, 2018, 120 min

  • Cláudio Alves - 75
  • Maggie Silva - 68
  • Inês Serra - 70
  • Marta Kong Nunes - 75
72

CONCLUSÃO:

Divertido, glamouroso e cheio de charme, “Asiáticos Doidos e Ricos” é um triunfo que todos os fãs de comédias românticas deviam ver. É bom saber que, mesmo quando o género deixou de ser moda, Hollywood ainda é capaz de produzir algumas romcoms de sucesso.

O MELHOR: O argumento é um fabuloso trabalho de adaptação que consegue resolver muitos dos problemas narrativos do livro. Além disso, os figurinos belíssimos e o elenco impecável são as maiores mais-valias do filme.

O PIOR: É óbvio quanto esta história foi pensada como o começo de um franchise, fazendo com que algumas partes do filme tenham a aparência de estar incompletas. A aparição, durante os créditos, de Harry Shum Jr. é particularmente infeliz nas suas intenções mercenárias. Antes de se pensar em sequelas, convém fazer um filme que funcione enquanto objeto singular de cinema.

CA

Sending
User Review
3.5 (2 votes)
Comments Rating 3 (1 review)

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

One thought on “Asiáticos Doidos e Ricos, em análise

  • Cliché

    Tinha expectativas elevadas relativamente a esta comédia. Pelas críticas achava que seria uma lufada de ar fresco. Ao fim de contas, tirando o setting distinto, a sua fórmula é indistinta da estrutura aplicada na maioria das comédias românticas. É um filme divertido mas infelizmente não é muito mais que isso.

    Did you find this review helpful? Yes No

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending