©Paulo Trancoso

Especial | O Cinema às Voltas Com o Futuro (8) | Paulo Trancoso

Depois de ouvir os vários agentes do sector chega agora a vez dos profissionais da produção de cinema. Paulo Trancoso, Presidente da Academia Portuguesa de Cinema dá-nos a sua visão sobre o actual momento do cinema, das salas e rodagens que estão, por enquanto paradas.

Paulo Trancoso nasceu em Lisboa em 1945. É um dos produtores portugueses mais antigos e experientes em actividade. Em jovem estudou Medicina e Arquitectura antes de iniciar um percurso profissional bastante diversificado, primeiro como jornalista e crítico de cinema. Mais tarde em 1982, fundou a Costa do Castelo Filmes, Lda., e entre os seus vários trabalhos para televisão, destaca-se a famosa mini-série ‘A Banqueira do Povo’. No cinema, Paulo Trancoso produziu vários filmes portugueses entre eles ‘A Selva’, de Leonel Vieira, ‘Duas Mulheres’, de João Mário Grilo,  ou o documentário ‘Pare, Escute, Olhe’, de Jorge Pelicano. Contudo projectou-se internacionalmente co-produzindo ‘A Casa dos Espíritos’, de Billie August, ‘A Rainha Margot’, de Patrice Chereau e mais recentemente Comboio Noturno Para Lisboa de Billie August (2013). Foi este ano reeleito para um terceiro mandato, como presidente da Academia Portuguesa de Cinema, que atribui anualmente os Prémios Sophia, entre outras actividades de formação e promoção do cinema português e dos seus profissionais.

Paulo Trancoso
…’o cinema não é só blockbusters, felizmente….’© Paulo Trancoso

O cinema face ao coronavirus: Não me parece que se deva ao vírus. O cinema em sala tem adiado a sua renovação e veio o streaming aproveitou a situação e ‘comeu’!

Blockbusters, super-heróis e cinema de arte & ensaio: Na  verdade os primeiros são uma ‘receita’ dos grandes estúdios para o publico jovem. Mas o cinema não é só blockbusters, felizmente….

Um ‘cinema infantilizado’ vs. séries de televisão: As séries são como que a volta dos ‘seriados’ do princípio do Cinema, mas agora ‘à la maison’…

O cinema de arte & ensaio e o streaming: Pode ser uma ajuda sim…pois leva esse cinema a um público mais longínquo, comodista e que não tem pachorra para certas salas de cinema…

Paulo Trancoso
‘…algumas das grandes cadeias de salas vão desaparecer falidas, como antes aconteceu com as salas de bairro…’ ©Paulo Trancoso

Festivais, entrevistas em streaming: Durante uns tempos será certamente assim…depois haverá certamente novas maneiras e voltará tudo ao normal.

Os agentes do sector andam um pouco desanimados: É uma provação difícil, mas ao mesmo tempo pode ser um desafio de criatividade e sobrevivência…

 O fim de uma era no cinema: Seria bom que as salas pensassem numa renovação histórica e diferenciadora, já que algumas das grandes cadeias de salas vão desaparecer falidas, como antes aconteceu com as salas de bairro…

A pandemia acelerar a transição para o streaming: Isso é já um facto! Mas é uma transição parcial…

Lotações limitadas vs. rentabilidade: Talvez com um bilhete por assinatura mensal como nos transportes… vais quantas vezes quiseres e a todas as estações (cinemas).

Paulo Trancoso
‘…vão retomar em breve e depressa as rodagens, com perigo, mas isso é a nossa profissão…’

Receio de regressar às salas de cinema: As pessoas irão receosas e não seguras…mas  irão regressar, já não todas….

O futuro da distribuição de cinema: Menos filmes, (os eleitos, os grandes projectos) alcançam as salas e o resto estará no streaming

Cineclubes, salas especializadas, drive in: Os drive in são ‘fenómenos coronavirus’ que não me parece que irão ficar e se multiplicar…

Operadoras de serviços de plataformas: Primeiro vão aparecer outros grandes operadores de streaming e depois haverá as associações com o cabo e cada um vai ter a sua marca, clube, opção, género, especialidade.

Produção e filmagens interrompidas: Está toda a gente com muitas saudades de filmar…mas vão retomar em breve e depressa, com perigo, mas isso é a nossa profissão…

JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *