London Film Festival | Certain Women e Steve McQueen são as estrelas do festival

No passado dia 15 de Outubro, Londres encheu-se com alguns dos grandes nomes do cinema mundial para receber mais uma edição do London Film Festival, da British Film Institute.

Criado em 2004, o BFI London Film Festival é um evento anual que exibe cerca de 300 filmes ao longo de 12 dias, com o intuito de premiar os melhores filmes do mundo. Este ano foi a vez de Kelly Reichardt levar para casa o prémio de melhor filme por Certain Women.

A obra que segue as vidas de três mulheres da pequena cidade de Montana nos Estados Unidos da América conta com a participação de Kristen Stewart, Laura Dern, e Michelle Williams. Segundo o júri que premiou o filme:

“Num ano vibrante para o cinema, foi a maravilhosa mise en scène e a silenciosa modéstia desta obra que determinou a nossa escolha para o melhor filme. Uma história humana e mordaz que equilibra, com certa vulnerabilidade e delicada compreensão do que é o isolamento, as frustrações e a solidão das vidas não vividas num canto rural e silencioso da América.”

Outras obras premiadas incluem Raw da francesa Julia Ducournau (Prémio Sutherland para melhor primeiro filme), Starless Dreams do iraniano Mehrdad Oskouei (Prémio Grierson para melhor documentário), e 9 Days – From My Window in Aleppo do trio Issa Touma, Thomas Vroege e Floor van de Muelen (melhor curta-metragem).

steve mcqueen london film festival

Lê Também: Cinema Europeu? Sim, Por Favor | Ensurdecedor

No final da cerimónia houve ainda tempo para homenagear o realizador Steve McQueen com a BFI Fellowship. Durante o discurso de apresentação, Michael Fassbender descreveu McQueen como “um provocador, um voyeur, um londrino e um velhote feliz”, e confessou sentir-se abençoado por poder ter trabalhado “debaixo da tutelagem de um dos grandes nomes do cinema”. Josh Berger, da Warner Bros., acrescentou que McQueen é “um dos cineastas e artistas com mais influência dos últimos 25 anos”.

Ao receber a condecoração, o realizador de 12 Anos Escravo atribuiu o sucesso da sua carreira à liberdade que teve em experimentar e em criar sem limites:

“Eu tive liberdade porque a sociedade me permitiu ter essa liberdade. Parece que a liberdade está lentamente a ser erradicada. É nosso dever lutar para que essa porta permaneça aberta”.

Kelly Reichardt e Steve McQueen são dois dos cineastas da atualidade que certamente ainda trarão ao grande ecrã magnificas obras cinematográficas.


 

Ângela Costa

Mestre em Cinema pela Universidade da Beira-Interior, sou apaixonada pelo cinema japonês e toda a cultura que o envolve. Adoro igualmente fotografia e se tiveres curiosidade passa no meu Instagram ;) Música e videojogos são dois outros grandes interesses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *