Mad Max 4 | Sonoplastia e efeitos sonoros

O mundo de Mad Max: Estrada da Fúria é um inferno de opressivos sons e explosiva cacofonia, criada por uma equipa de som duplamente Oscarizada.

 

<< A grotesca e Oscarizada caracterização

 

Apesar de todos os nomeados aos Óscares de Melhor Sonoplastia (Sound Mixing) e Melhores Efeitos Sonoros (Sound Editing) terem representado alguns dos melhores e mais espetaculares trabalhos do cinema de 2015, é difícil encarar a vitória de Mad Max: Estrada da Fúria em ambas as categorias e encontrar na escolha algum tipo de injustiça.

Lê Também: Óscares 2016, em análise | Categorias Técnicas

Devido às difíceis condições de filmagens no deserto da Namíbia e ao uso extensivo de veículos funcionais e efeitos especiais práticos, foi praticamente impossível gravar-se som durante o principal período de gravações. Mesmo o diálogo teve de ser praticamente todo regravado em estúdios, sendo que, sem o trabalho da maravilhosa equipa de som, o mais recente filme da saga Mad Max teria sido um filme mudo.

Mad Max

Mark A. Mangini e David White foram os grandes responsáveis pela criação dos variados e agressivos sons que tornam a paisagem sonora do filme numa tapeçaria de violentos sons como o rugir de motores monstruosos, explosões constantes, o vento do deserto implacável e mesmo o bater de meta contra metal como os movimentos do braço mecânico de Furiosa. White nunca havia sido anteriormente nomeado para o Óscar, mas Mangini já tinha a seu nome três outras indicações ao galardão, incluindo por Aladdin da Disney, outro filme em que este técnico teve de construir todos os sons ouvidos no filme, tornando verosímil para a audiência, a realidade fantasiosa da obra.

Mad Max

Na categoria de Sonoplastia os vencedores foram Chris Jenkins, Gregg Rudloff e Ben Osmo. Deste trio, apenas Osmo tem construído a sua carreira com base no cinema australiano, sendo que Jenkins e Rudloff já são verdadeiros veteranos do cinema de Hollywood. Ambos já tinham ganho dois Óscares antes de conquistarem o terceiro, Jenkins pelos épicos África Minha e O Último dos Moicanos, e Rudloff por Matrix e Glória.

Com os seis Óscares ganhos pela sua magnífica equipa de geniais criativos, Mad Max: Estrada da Fúria marca uma surpreendente aceitação do cinema de ação e ficção-científica por parte da Academia, que podia ter escolhido obras muito mais tradicionais para os seus galardões. Parabéns a todos estes vencedores que nos trouxeram um dos melhores filmes de 2015!

 

<< A grotesca e Oscarizada caracterização

 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *