Oscares MHD

Os Óscares da MHD vão para…

Os Óscares estão quase a chegar, mas antes disso há que se saber quem seriam os vencedores dos maiores prémios de Hollywood se, ao invés da Academia, fosse a equipa MHD a votar.

2 de 25

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTAL

oscares mhd black sheep

O Óscar MHD vai para… BLACK SHEEP de Ed Perkins e Jonathan Chinn!

De entre os cinco nomeados na categoria de Melhor Curta-Metragem Documental, “Black Sheep” destaca-se pela sua inovação formal e bravura na experimentação de técnicas raras no documentário mais convencional. O uso de testemunhos feitos diretamente para a câmara, por exemplo, muito faz para dar peso e humanidade à história retratada na fita e o uso de dramatizações esbate a ténue barreira entre o que é um documentário e o que é um filme narrativo.

De forma sumária, esta é uma exploração de tensões raciais na Grã-Bretanha, focando-se num retrato individual de Cornelius Walker, cuja família decidiu abandonar Londres depois do homicídio muito mediático de Damilola Taylor em novembro de 2000. Contudo, de um inferno de preconceito, a família do protagonista acaba por cair noutro ambiente de venenoso racismo. Mais do que ser um filme com uma mensagem moral pronto a evangelizar audiências, “Black Sheep” foca seus esforços em ser um estudo de personagem e como isso, o filme é uma obra-prima. Ódio internalizado e o tipo de resiliência necessária para se viver num mundo que insiste em negar a Humanidade de alguém.

Apesar da sua abordagem cáustica e acídica, que não ousa oferecer soluções simples ao problema do racismo que impregna a sociedade, o que o eleva acima de tantos outros filmes sobre temas semelhantes. Este não é um filme que quer reconfortar o espectador ou posicionar seus temas como problemáticas do passado. Esta é uma obra urgente que triunfou no nosso voto, mesmo acima de outros filmes bem adorados pela equipa MHD como “Lifeboat” sobre a crise dos refugiados e “End Game” sobre pessoas em fim de vida e os médicos que os tentam salvar.

CA

2 de 25

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *